Connect with us

O que você está procurando?

Saúde Mental

TDAH em adultos: entenda como a condição se manifesta

Geralmente associado à infância, o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) pode persistir na vida adulta

TDAH em adultos: entenda como a condição se manifesta
TDAH em adultos: entenda como a condição se manifesta - Foto: Shutterstock

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um transtorno neurobiológico que se caracteriza por dificuldades persistentes de atenção, impulsividade e/ou hiperatividade. A condição geralmente aparece na infância. No entanto, está cada vez mais comum pessoas adultas receberem o diagnóstico para o quadro.

De acordo com o médico psiquiatra Dr. Wendell Ribeiro Oliveira, embora frequentemente associado à infância, o TDAH pode persistir na vida adulta, na maioria dos casos, afetando cerca de 2 a 4% dos adultos conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Como são os sintomas do TDAH em adultos?

Conforme o psiquiatra, os sintomas de TDAH em adultos são principalmente desatenção, disfunção executiva, inquietação motora, impulsividade e desregulação emocional. 

“São pessoas que se distraem facilmente com estímulos internos e externos, como os próprios pensamentos, apresentam muitas dificuldades de planejar, executar e concluir tarefas prolongadas, adiando e interrompendo projetos pela metade com frequência”, explica o especialista.

Além disso, esses indivíduos comumente se sentem inquietos e entediados, mesmo quando tem tempo livre para relaxar. Também são pessoas com dificuldades de esperar a sua vez, e que interrompem a fala dos outros frequentemente, aponta Wendell.

“A desregulação emocional é uma face do TDAH que vem sendo mais estudada, porém ainda é pouco reconhecida. Adultos com TDAH podem ter dificuldades significativas em controlar suas emoções, resultando em reações intensas e repentinas, como explosões de raiva”, complementa o médico.

Fatores ligados ao transtorno

O psiquiatra explica que o TDAH tem uma forte ligação genética. Portanto, pais de crianças diagnosticadas têm maior probabilidade de também apresentar o transtorno. 

“A explicação mais aceita atualmente para a origem do TDAH é o modelo multifatorial, que envolve a interação entre fatores genéticos e ambientais. Acredita-se que a combinação de variantes genéticas de risco e condições desfavoráveis no ambiente pode desencadear o transtorno”, afirma.

Além disso, há outros fatores que podem explicar a origem do TDAH. Wendell cita, por exemplo, alterações no córtex pré-frontal (que funciona como um maestro regulando a cognição); redes neurais ligadas a neurotransmissores, como dopamina e norepinefrina; e  comportamentos e emoções.

O tratamento para adultos

O tratamento do TDAH em adultos envolve uma abordagem multimodal, que combina educação sobre o transtorno, cuidados com o estilo de vida, atividade física, alimentação, sono, psicoterapia e medicação, quando indicada. 

“Medicamentos são comprovadamente eficazes e devem ser usados apenas com orientação médica. Ademais, manter uma rotina estruturada, estabelecer metas alcançáveis e praticar técnicas de gerenciamento de tempo são estratégias úteis no manejo do TDAH”, aponta o Dr. Wendell.

O psiquiatra lembra que adultos com TDAH podem enfrentar desafios significativos em áreas como trabalho, relacionamentos, desempenho, saúde mental e bem-estar geral, impactando a vida diária e social. Portanto, a busca por um tratamento é fundamental.

“É crucial reconhecer e compreender a complexidade do TDAH na vida adulta, a fim de promover diagnósticos precoces e intervenções adequadas. Com maior conscientização e suporte, é possível ajudar as pessoas com TDAH a gerenciar seus sintomas e melhorar sua qualidade de vida”, finaliza o médico.

Advertisement

Você também vai gostar

Alimentação

Entenda como uma dieta bem elaborada pode auxiliar o descanso adequado e a recuperação do seu organismo

Notícias

O método Roma IV é a principal forma de identificar constipação em crianças, mas pesquisadores apontam forma mais eficiente

Saúde Mental

Profissional aponta as cinco feridas emocionais mais comuns e sugere formas de lidar com as consequências na vida adulta

Notícias

Neurocientista revela que beijamos muito mais com o cérebro do que com a boca. Entenda o que acontece durante o beijo