Connect with us

O que você está procurando?

Emagrecer

Bariátrica: quanto tempo demora para emagrecer? Entenda

Ganhar peso novamente após a bariátrica é normal, mas tudo depende da técnica escolhida para o procedimento

Bariátrica: qual tipo de cirurgia escolher para evitar o reganho de peso?
Bariátrica: qual tipo de cirurgia escolher para evitar o reganho de peso? - Foto: Shutterstock

A cirurgia bariátrica é uma das intervenções médicas mais eficazes no combate à obesidade. No entanto, especialistas alertam para a necessidade de compreender suas variações e desafios. Isso porque existem diferentes tipos de cirurgias bariátricas, e cada uma tem suas particularidades. O entendimento dessas variações pode ajudar os pacientes a fazerem escolhas informadas e, consequentemente, obter melhores resultados a longo prazo.

Mas, de acordo com o Dr. Victor Loverso, médico especialista na saúde do aparelho digestivo, existe um tempo médio para os efeitos da bariátrica aparecerem. “Geralmente, a maior perda de peso acontece entre os 12 e 14 meses após o procedimento. Nesse período, espera-se que a pessoa perca em média 40% do peso inicial ao tratamento. Aliás, o ideal é que esse novo peso seja mantido a longo prazo”, explica.

Diferentes tipos de bariátrica

Existem diversas técnicas de cirurgia bariátrica utilizadas no tratamento da obesidade, como banda gástrica ajustável, laparoscópica e bypass. Atualmente a cirurgia de mínima invasão aumentou muito a segurança do procedimento, em especial a cirurgia robótica

A cirurgia robótica favorece rápida recuperação do paciente com menor trauma cirúrgico e consequentemente menor dor no pós-operatório. Isso tudo é determinado pelo fato da cirurgia robótica causar menor sangramento no intraoperatório, mais segurança e precisão à cirurgia. Vale destacar que as taxas de reganho de peso podem variar dependendo da técnica primária escolhida.

Reganho de peso após a bariátrica é normal?

Uma pesquisa feita nos Estados Unidos analisou 2.348 pacientes que se submeteram à cirurgia bariátrica há mais de sete anos. Os resultados mostraram uma média de perda de peso de 28,4% e ganho de 3,9% para o método de bypass gástrico, enquanto a técnica de banda gástrica ajustável laparoscópica apresentou 14,8% de perda e 1,4% de reganho.

“Cada técnica possui suas particularidades e indicações, sendo escolhida de acordo com o perfil e necessidade do paciente”, explica o cirurgião do Hospital Albert Einstein, Dr. Leonardo Emílio.

Segundo o médico é comum esperar que, 18 meses após a cirurgia, os pacientes ganhem de volta cerca de 10% do peso que perderam, visto como um ajuste natural do corpo ao novo peso. No entanto, os resultados de longo prazo da cirurgia bariátrica, explica Emílio, vão muito além do peso perdido. “Há inúmeros benefícios no controle do diabetes, hipertensão e aumento da expectativa de vida”, disse.

Para o cirurgião, a solução não está apenas no procedimento físico, mas também no suporte contínuo e na atenção à saúde mental do paciente. “Precisamos tratar o indivíduo como um todo, considerando seu bem-estar emocional e mental. Somente assim podemos realmente combater as causas profundas da obesidade e garantir resultados duradouros”, enfatizou.

“O combate à obesidade é multifacetado, e enquanto a cirurgia bariátrica pode oferecer uma ferramenta poderosa para a perda de peso, a responsabilidade não recai apenas sobre o procedimento em si. A cooperação entre médicos, nutricionistas, psicólogos e o próprio paciente é fundamental para a manutenção do peso e para uma vida mais saudável”, disse Leonardo. 

Esta abordagem colaborativa, explica o cirurgião, assegura que os pacientes não apenas percam peso, mas também transformem seu estilo de vida, garantindo saúde e bem-estar duradouros.

Advertisement

Você também vai gostar

Notícias

Colocado através de cirurgia, o implante coclear é indicado para pacientes com perda auditiva severa à profunda

Notícias

Compressões na coluna vertebral podem pode afetar a funcionalidade dos nervos, levando a sensação de formigamento nas mãos e nos dedos

Doenças

A sarcopenia diminui a massa muscular, a força e, com isso, a qualidade de vida de pessoas idosas - especialmente as sedentárias

Doenças

Casos de AVC e infarto aumentam entre 20% e 30% respectivamente durante o clima frio. Veja como se proteger no inverno