Connect with us

O que você está procurando?

Doenças

Hepatites: entenda como é a transmissão e prevenção de cada uma delas

As hepatites virais acometem o fígado e geralmente não apresentam sintomas, o que torna ainda mais importante a prevenção do quadro

Hepatites: entenda como é a transmissão e prevenção de cada uma delas
Hepatites: entenda como é a transmissão e prevenção de cada uma delas - Foto: Shutterstock

O Julho Amarelo reforça as ações de conscientização sobre a prevenção, o diagnóstico e o tratamento das hepatites virais. Essa infecção que acomete o fígado pode causar alterações leves, moderadas ou graves, mas, por não apresentar sintomas, pode tornar o quadro do paciente mais delicado. 

De acordo com dados da Organização Nacional de Saúde (OMS), mais de 1,4 milhão de mortes por ano são causadas por complicações relacionadas a essa doença em todo o mundo. No Paraná, a Secretaria Estadual de Saúde destaca que a taxa de mortalidade da hepatite C pode ser comparada aos índices do HIV e da tuberculose. 

Para o Gastroenterologista e Hepatologista do Hospital São Marcelino Champagnat e do Hospital Universitário Cajuru, Dr. Jean Tafarel, a dificuldade no diagnóstico é um dos fatores mais preocupantes. Por isso, é aconselhável que médicos solicitem exames de hepatite B e C pelo menos uma vez na vida. 

“A região Sul registra mais casos de hepatite C, seguindo a incidência desse tipo no Brasil. Atualmente, todas as pessoas com a doença recebem tratamento, independentemente do grau. Isso significa que 100% delas se curam tomando um comprimido por três meses, sem efeitos colaterais”, detalha.

Números alarmantes

De acordo com dados do Ministério da Saúde, entre os anos de 2000 e 2022, foram identificados 750.651 casos de hepatites virais no Brasil, segundo o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). Desses, 298.738 (39,8%) são de hepatite C, 276.646 (36,9%) de hepatite B e 169.094 (22,5%) de hepatite A.

Diferentes tipos de infecção

As hepatites virais se dividem em A, B, C, D e E, com diferentes formas de transmissão. O Dr Jean explica as mais recorrentes:

  • A: A transmissão da hepatite A pode ser por meio do consumo de água e alimentos contaminados por fezes, condições precárias de saneamento básico e, além disso, falta de higiene pessoal. 
  • B: A transmissão da hepatite B pode ocorrer em relações sexuais desprotegidas e também no compartilhamento de objetos pessoais como lâminas de barbear, alicates de unha e outros objetos, como agulhas e seringas. Além disso, pode ter transmissão vertical,  de mãe para filho durante a gravidez, o parto ou a amamentação
  • C: A hepatite C é a mais severa entre os tipos de vírus, com grande chance de se tornar crônica. É contraída através do sangue contaminado e seus derivados, compartilhamento de seringas e relações sexuais sem o uso de preservativos.
  • D: O tipo D está associado à presença do vírus da hepatite B e é transmitida pelo sangue e pela relação sexual.
  • E: Já a hepatite E é de curta duração e cura naturalmente. Na maioria dos casos, é uma doença benigna transmitida por via fecal-oral, pelo consumo de água contaminada. 

“Pode ser grave em gestantes, mas raramente causa infecções crônicas em pessoas com algum tipo de imunodeficiência. Assim como a hepatite A, a hepatite E não tem um tratamento específico. A maioria dos casos se concentra em países asiáticos”, complementa o médico.

Sintomas

Não é comum que as hepatites virais apresentem sintomas. Por isso, a testagem é de extrema importância. Apesar disso, os sinais mais comuns são: 

  • Cansaço;
  • Febre;
  • Mal-estar;
  • Tontura;
  • Enjoo;
  • Vômitos;
  • Dor abdominal;
  • Icterícia (pele e olhos amarelados);
  • Urina escura;
  • Fezes claras.

Tratamento e prevenção

De acordo com o médico, a melhor forma de tratar a hepatite ainda é a prevenção. “Existem vacinas disponíveis no sistema público para as hepatites A e B, que estão incluídas no calendário de imunização da criança. A vacina contra a hepatite A é aplicada em apenas uma dose, aos 15 meses de idade do bebê, e a vacina para hepatite B é administrada em quatro doses: ao nascimento e aos 2, 4 e 6 meses de vida”, explica o especialista. 

“Para outras faixas etárias, três doses garantem a imunidade, mas o uso de preservativos é essencial. Não há vacina para a hepatite C, mas há tratamento e cura, inclusive com medicamentos fornecidos pelo Sistema Único de Saúde”, finaliza o profissional.

Advertisement

Você também vai gostar

Alimentação

Consumir açúcar refinado aumenta os níveis de gordura no corpo e o risco de desenvolver doenças como diabetes. Saiba como substituir o produto

Dor

15% dos brasileiros sofrem com enxaqueca, condição que pode ser tratada de diferentes formas. Veja quais terapias podem ajudar

Medicamentos

Anfetamina prescrita para TDAH é frequentemente usada como um estimulante. Conheça os riscos do Venvanse

Fitness

Especialista em fisiologia do exercício aponta as principais diferenças entre crossfit, musculação, treino funcional e calistenia