Connect with us

O que você está procurando?

Insônia

Insônia? Remédio para dormir deve ser última alternativa; entenda

Remédios para dormir, como o Zolpidem, trazem graves consequências à saúde. O ideal é antes optar pela higiene do sono

Insônia? Remédio para dormir deve ser última alternativa; entenda
Insônia? Remédio para dormir deve ser última alternativa; entenda - Foto: Shutterstock

Cerca de 72% dos brasileiros sofrem de doenças do sono, como a insônia, indica um levantamento recente da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Essa pode ser a explicação para a popularização do Zolpidem, remédio para dormir indicado para o tratamento de curta duração da insônia aguda ou transitória (curta duração) em pacientes que têm dificuldade para adormecer e/ou manter o sono. 

O medicamento se tornou uma das opções mais comuns para melhorar a qualidade do sono do brasileiro. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) calcula que, entre 2011 e 2018, a venda cresceu 560% no Brasil. Aliás, só em 2020 foram comercializadas 8,73 milhões de caixas em todo o país.

Automedicação

Especialmente quando falamos de controle do sono, a automedicação é uma alternativa comum para muitas pessoas. De acordo com o Conselho Federal de Farmácia (CFF), 77% das pessoas usam  medicamentos para diversos fins sem prescrição médica, sendo que quase metade (47%) se automedica pelo menos uma vez por mês e um quarto (25%), todo dia ou pelo menos uma vez por semana. 

A prática é desestimulada pelo Ministério da Saúde, pois pode trazer consequências como o agravamento de uma doença, uma vez que a utilização inadequada pode esconder determinados sintomas, causar reações alérgicas, dependência e até a morte.

Por que é melhor evitar o uso de remédios para dormir?

O Dr. Rizzieri Gomes, médico cardiologista focado na mudança do estilo de vida (MEV) de seus pacientes, é enfático ao recomendar que se evite os medicamentos para dormir. Além disso, ele pede que jamais se faça uso deles sem a devida orientação de um profissional de saúde. Segundo o profissional, existem dois grandes riscos de quem toma remédio para insônia. 

“O primeiro deles é a dependência, que pode ser química ou emocional. Quando ela acontece, a pessoa passa a acreditar que não vai conseguir dormir sem a ajuda do remédio. O que começa com a necessidade devido a um evento específico, muitas vezes uma situação traumática, e pode acabar se perpetuando por muito tempo”, detalha o médico. 

“E o segundo é o efeito da tolerância, quando o usuário sente a necessidade de aumentar gradativamente a dosagem, às vezes chega a trocar por um com ação mais intensa, ou mesmo a usar mais de um, e não consegue deixar de usar”, alerta.

Transtorno de Insônia Crônica

Caso haja suspeita de Transtorno de Insônia Crônica, o especialista recomenda acionar um médico para realizar o diagnóstico. A 3ª edição da Classificação Internacional de Distúrbios do Sono (ICSD) define esse transtorno a partir dos seguintes sintomas:

  • Dificuldade em iniciar o sono;
  • Dificuldade em manter o sono;
  • Despertar antes do desejado;
  • Resistência em ir para a cama no horário apropriado;
  • Dificuldade para dormir sem a intervenção dos pais/cuidadores.

Além disso, o paciente pode sentir ainda:

  • Fadiga;
  • Déficit de atenção, concentração ou memória;
  • Prejuízo do funcionamento social, familiar, ocupacional ou acadêmico;
  • Alteração do humor/irritabilidade;
  • Sonolência diurna;
  • Alterações comportamentais (ex. hiperatividade, impulsividade, agressividade);
  • Perda de motivação;
  • Propensão para acidentes e erros;
  • Preocupação ou insatisfação com o sono.

Higiene do sono: como colocá-la em prática

Pensando nos problemas que os remédios para dormir podem acarretar à saúde, o Dr. Rizzieri lista 5 ações que podem melhorar o descanso noturno, colocando em prática  a higiene do sono. Confira:

1 – Rotina Relaxante: crie uma rotina noturna tranquila e relaxante, como ler um livro, tomar um chá de camomila ou meditar, por exemplo, para preparar corpo e mente para dormir.

2 – Ambiente Aconchegante: garanta que o quarto seja um santuário do sono, com temperatura adequada, escuro e livre de ruídos perturbadores.

3 – Horários Regulares: tente estabelecer horários regulares para dormir e acordar, inclusive nos finais de semana. Isso ajuda a sincronizar o relógio biológico e melhorar a qualidade do sono.

4 – Atividade Física: pratique exercícios regularmente, mas evitando atividades intensas próximo à hora de dormir. Isso porque o exercício físico ajuda a reduzir o estresse e melhora o sono.

5 – Cuidado com a Alimentação: evite refeições pesadas e estimulantes, como cafeína e bebidas alcoólicas, antes de dormir. Opte por alimentos leves que não perturbem o sono.

Advertisement

Você também vai gostar

Fitness

Se você treina e ainda consome refrigerante regularmente, veja os prejuízos que a bebida está causando ao seu organismo

Saúde Bucal

Mesmo com dentes de leite, as crianças com bruxismo devem passar pelo tratamento, uma vez que a condição pode causar problemas mais graves

Sem categoria

O glaucoma é a principal causa de cegueira irreversível no mundo. Entenda a importância do diagnóstico precoce

Saúde Bucal

A cárie oculta costuma surgir em locais onde a escova de dentes e o fio dental não alcançam. Veja como identificar o problema