Connect with us

O que você está procurando?

Busca

Fitness

Treino no período menstrual: pode ou não? Entenda

Ginecologista e educador físico comentam sobre os efeitos que a atividade física pode gerar

Treino no período menstrual
Treino no período menstrual / Foto: Shutterstock

Já esteve naqueles dias e ficou na dúvida se deveria ou não fazer exercícios? Pois bem, nessa fase, muitas mulheres se queixam de desânimo por conta da cólica, enquanto outras não sentem alteração alguma. Mas, com a ajuda do Dr. Gabriel Monteiro, médico ginecologista e obstetra, professor do curso de medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA) e do personal trainer Gustavo José de Sá Pereira, desvendamos as principais dúvidas sobre o assunto.

Segundo o médico, durante a menstruação é normal a mulher se sentir inchada, indisposta e sem ânimo. Isso ocorre porque nessa fase é baixa a produção de estrogênio, hormônio associado à produção e ação da serotonina, neurotransmissor relacionado à sensação de bem-estar.

Treino no período menstrual pode ser benéfico

No entanto, para ele, a prática de atividades físicas pode ajudar a combater os incômodos do período da tensão pré-menstrual (TPM) e durante a menstruação. Afinal, quando fazemos exercícios, nosso corpo libera substâncias, como a endorfina, que é um analgésico natural que ajuda a aliviar dores, como as cólicas menstruais e traz aumento da disposição mental e física.

“Os exercícios elevam a temperatura corporal e estimulam a vasodilatação, o que melhora a irrigação sanguínea e alivia a sensação das cólicas e inchaço. Malhar também aumenta a produção da serotonina e pode ajudar na estabilidade emocional”, diz o Dr. Monteiro.

“Se a mulher não sente nenhum tipo de desconforto no período menstrual, pode seguir a rotina normal de atividade física. Mas se há desconforto, é importante respeitar o corpo e reduzir a intensidade do treino, seja de força ou aeróbico”, completa.

Na visão do personal trainer, Gustavo José de Sá Pereira, o ideal é nunca mudar a rotina que está habituado. Afinal, sempre que se faz um novo exercício físico ou um novo estímulo ao corpo, é gerado um estresse.

“É recomendado manter aquele exercício que já estava fazendo, por exemplo, se ia todos os dias na musculação e decide correr, a mulher vai sentir muito mais no corpo dela do que se continuasse com a musculação. E recomendo que faça com mais pausas e vá intensificando até chegar no nível que está acostumada”, diz.

Além disso, “não tem uma melhor aposta do que ser feito nesse período, isso vai de corpo para corpo. Mas, o exercício aeróbico causa um estresse menor em relação a musculação”, completa Gustavo.

Não esqueça da alimentação

As flutuações dos hormônios, como progesterona e estrogênio, são características do ciclo menstrual. Os efeitos dessa oscilação podem ser amenizados com a adoção de hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e a prática regular de atividade física. 

Os hábitos de vida influenciam diretamente todo o sistema corporal. Por isso, é fundamental a prática regular de atividades físicas. E, evidentemente, evitar alimentos que pioram a inflamação das células, como industrializados, embutidos, ou aqueles com alto teor de gordura (frituras e carnes vermelhas).

Alimentos com propriedades anti-inflamatórias como oleaginosas, semente de abóbora, linhaça, azeite, além de alimentos ricos em cálcio, nutriente que ajuda a aliviar as cólicas, como queijo branco, leite desnatado e folhas escuras. É importante também evitar o consumo excessivo de álcool, açúcar e cafeína”, finaliza o Dr. Monteiro.

Advertisement

Você também vai gostar

Dor

Médico ortopedista explica porque algumas mulheres podem sentir dor na coluna durante o período menstrual. As causas são variadas

Saúde da Mulher

Especialista aponta que utilizar mais do que 16 absorventes durante a menstruação pode apontar alguma irregularidade no corpo

Saúde da Mulher

Estudos recentes mostram vantagens do coletor menstrual em relação aos absorventes tradicionais. Uso de preservativo ainda é essencial

Saúde da Mulher

Ginecologista atribui benefícios à liberação de hormônios como serotonina e dopamina. Entenda qual o impacto no organismo